Roteiros de Estudo  »  O lugar do sentimento na análise do comportamento

IMPRIMIR
O lugar do sentimento na análise do comportamento*

1. Qual é a mais comum interpretação sobre o behaviorismo radical citada pelo autor? E o que poderia ser responsável por isso?

2. Defina o behaviorismo metodológico. Use o livro para auxiliar na resposta.

3. Qual a posição dos behavioristas metodológicos e positivistas lógicos em relação ao mundo interno e a introspecção.

4. Qual a importância dada pelo autor em relação ao mundo interno, ou sentimentos e pensamentos?

5. Como o autor relaciona ver e ouvir com sentimento. E explique as justificativas do autor para as diferenças.

6. Das duas definições que William James deu sobre sentimento, qual o autor concorda e qual ele discorda. Justifique ambas as respostas.

7. Quando o autor cita os estudos dos fisiólogos, ele diz: “No entanto, nós podemos responder diretamente a elas (condições sentidas). Fazemos isso de diferentes maneiras.” As condições sentidas mencionadas pelo autor são do modelo pavloviano ou do Skinneriano. Explique.

8. O autor aborda o importante tema de como a comunidade ensina respostas verbais sobre o mundo interno. Qual é a dificuldade nesse ensinamento e quais as consequências disso? Precisamos da comunidade verbal para aprendermos sobre o mundo interno. Explique.

9. O que Skinner salienta com a frase “A genuína privacidade, que recomenda que conheçamos especialmente bem nossos corpos, é uma severa limitação para os que devem ensinar-nos a conhecê-los.”

10. Ensinarmos nomear estados internos através de circunstâncias concomitantes públicas. Dê dois exemplos (diferentes do livro).

11. Skinner escreve: “Podemos (comunidade verbal) responder só à pancada ou só ao susto, mas a criança também sente um estímulo interno e pode dizer “machucou” quando ele ocorreu, mesmo sem uma circunstância concomitante pública.” Qual o princípio comportamental do comportamento da criança? Justifique.

12. Ainda na frase na questão 11. Explique e dê um exemplo de: “...mesmo sem uma circunstância concomitante pública.”

13. Discuta a frase de Skinner: “Uma vez que eventos públicos e privados raras vezes coincidem exatamente, palavras que designam sentimentos não são ensinados com tanto sucesso quanto palavras que designam objetos.”

14. Explique a posição do autor a respeito da falta de consenso entre psicólogos e filósofos sobre sentimentos.

15. Qual a posição teórica dessa frase “...nos comportamos de uma dada maneira por causa dos nossos sentimentos”?

16. Escreve de maneira behaviorista radical as seguintes frases: “Comemos porque sentimos fome”,  .. “ brigamos por que sentimos raiva”, “...em geral agimos de acordo com o que estamos sentindo.”

17. Comente: “Mas o que é sentido não é uma causa inicial ou iniciadora.”

18. É fácil confundir o que sentimos com causa, porque nós o sentimos enquanto estamos nos comportando (ou mesmo antes de nos comportarmos), mas os eventos que são responsáveis pelo que fazemos (e portanto pelo que sentimos) permanecem num passado realmente distante. Explique essa frase.

19. Qual a diferença entre “Você me reforça” e “Você reforça meu comportamento”?

20. Os “amantes” que fazem tudo para ficarem juntos o máximo possível, estão apenas num esquema de reforçamento positivo? Explique.

21. Eros é uma palavra usada para significar amor sexual. “Essa é a parte do fazer amor que é derivada da seleção natural.” Que outra forma de amor também é derivada da seleção por consequências.

22. Para a espécie humana, “fazer amor” está em que níveis de seleção? Justifique.

23. Em outras espécies, não humanas, os “rituais de corte e estilos de cópula variam pouco de indivíduo para indivíduo e geralmente são relacionados a tempos ótimos para concepção e as melhores épocas para cuidar do recém-nascido.” Que nível de variação e seleção é esse?

24. A palavra para amor philia está relacionada a que nível de variação e seleção.

25. “Às vezes é difícil distinguir entre eros e philia.” Justifique.

26. Para o 3o nível de variação e seleção Skinner usa a palavra agape. Explique esse nível.

27. Skinner introduz aqui o reforçamento invertido. Explique como ele atua nos 3 níveis de reforçamento.

28. As consequências do reforçamento invertido em agape são naturais ou artificiais? Justifique.

29. Qual dos 3 níveis de amor o cliente deve ter bem desenvolvido?

30.  Qual é o tipo de esquema que Skinner usou no seu experimento de ansiedade?

31. Comente a frase “Uma mudança na probabilidade de respostas não é propriamente chamada de resposta. Sobretudo se o choque em si mesmo não suprimiu a resposta, não houve substituição de estímulo. A frequência reduzida, paradoxalmente, parece ser o efeito inato de um estímulo necessariamente condicionado.”

32. Qual é a história, passada ou atual, que Skinner está  citando na expressão “Uma pessoa experimenta ansiedade numa situação de perigo e de desamparo”?

33. Um indivíduo pode responder a um estado corporal similar ao estado de uma pessoa ansiosa sem ter sido exposto a contingências verbais? Explique.

34. Explique a frase em termos comportamentais “Se a situação ameaça recorrer num momento posterior da vida da pessoa, ela experimenta ansiedade como um sinal de perigo iminente.”

35. Qual a função que a ansiedade passa a ter num segundo episódio aversivo?|

36. O animal para de pressionar a barra, porém ele pode estar em duas contingências diferentes. Quais contingências são essas e que sentimentos produzem?

37. Para o autor o que é necessário para fazer uma boa análise de “embaraço” e outros sentimentos?

38. Qual o problema segundo o autor de se perguntar para uma pessoa sobre seus sentimentos?

39.  Qual a metáfora da palavra preocupado?

40. Como surgiram as palavras que designam sentimentos?

41. O autor acredita que “não precisamos usar os nomes dos sentimentos”. Qual sua proposta? Explique.

42. O que são sentimentos para Skinner e como são produzidos?

43. Defina simpatia e empatia segundo Skinner?>

44. Como o autor acredita que a empatia e simpatia se desenvolvem?

45. O que é imitação? Leia Ciência e Comportamento Humano pg 75 para auxiliar na resposta.

46. Qual a proposta do autor para que compreendamos os sentimentos “empatia” e “simpatia”?

47. O autor acredita que o estado psicótico produzido por drogas é diferente do estado psicótico de um doente. Discuta.>

48. O que é necessário para sabermos como o outro se sente?

49. Skinner coloca que é mais fácil aferirmos peixes, cobras e insetos. Justifique.

50. ‘Quando queremos alterar sentimentos é mais importante enfatizar o que é sentido do que o sentimento”. Explique essa frase.

51. Comente a análise do autor sobre o uso de drogas (aspirina, álcool...)?

52. “Os sentimentos são mais facilmente mutáveis através de alterações nos ambientes responsáveis pelo que é sentido”. Relacione essa frase com o papel do terapeuta comportamental.

53. Discuta a frase: “ Quando o ambiente não pode ser mudado, uma nova história de reforçamento pode alterar seu efeito.”>

54. Explique, teoricamente, o que é dessensibilização?

55. Quais os princípios básicos envolvidos no processo de conscientização psicanalítico?

Qual a análise de Skinner do processo de “conscientização” da psicanálise? 56. O autor critica a os psicólogos cognitivistas. Qual é o argumento que ele usa?

57. Qual é a deficiência dos comportamentos imitativo e de seguir um conselho?

58. Comente a frase: “O conselho pode ser seguido e as consequências reforçadoras podem acontecer antes que as condições corporais visadas pelo conselho sejam sentidas.”

59. O que mantém o comportamento de seguir um conselho? Justifique.

60. A que tipo de reforçamento respondemos quando emitamos personagens ou fazemos algo que gostamos?

61. Quais os dois tipos de reforçamentos possíveis no consumo de drogas?

62. Qual a critica sobre a definição de ver dos filósofos e cognitivistas?

63. O que é ver para Skinner?

64. Responda a questão do autor: “Restringir a análise dos sentimentos ao que é sentido pode significar negligenciar a questão do que é o sentimento em si mesmo?

65. Quais as “boas razões” para que as pessoas falem sobre seus sentimentos”?

66. Para uma análise comportamental o que mais precisamos saber além do sentimento?

67. O que ocorre para que filósofos e psicólogos nunca tenham concordado com as causas do comportamento?

68. Qual a relação entre o que os neurologistas e filósofos poderão encontrar com o estudo dos etólogos e analistas do comportamento?

69. A introspecção pode ser usada como método de pesquisa?

* Skinner, B. F. (1991) Questões Recentes na Análise Comportamental. Cap1, pp.13-24. Campinas, SP: Papirus.

* Roteiro de estudo preparado por Patrícia Piason Queiroz e Hélio José Guilhardi.

 
Página Inicial Voltar Subir
Copyright © terapiaporcontingencias.com.br | Todos os direitos reservados.